domingo, 16 de julho de 2017

UM VARAL PARA NOSSA CARA "MECENAS" (VI)





PARA JACQUELINE

POR Lenival de Andrade 
em 15/07/2017 às 12h20





Foi num belo mês de Agosto
Que meu humilde trabalho foi ao mundo apresentado
Logo vi o resultado e fiquei emocionado
Falar bem dela falo com muito bom gosto
Para o progresso estou disposto
Sinto necessidade que ela me ensine
Pessoa muito bacana e de cultura sublime
Lançou-me numa boa na revista VARAL DO BRASIL
Assim logo minha moral subiu
Então receba de forma real e especial
Tornando tudo tão legal
Pois FIZ para você amiga Jacqueline

sábado, 15 de julho de 2017

UM VARAL PARA NOSSA CARA "MECENAS" (V)

COMENTANDO...

        Em 1976 pouco tempo após minha chegada a Florianópolis, num passe mágico entre muitos mais, fui admitida no antigo e extinto jornal A Gazeta. Comecei na função de revisora e acumulei a de repórter/redator.
Responsável por uma crônica diária criei o título “Comentando...” e nesse espaço eu ‘pintava e bordava’ os acontecimentos da antiga Florianópolis – que ainda não era Floripa.  Consequentemente comecei a participar da vida literária insipiente na pacata Capital.
Passaram-se muitos anos e a moderna Floripa cheia de prédios e aterros roubados do mar me acolheu como escritora. E, como tal, venho participando de encontros e associações literários e culturais.
Pois num desses movimentos, fiz um ‘plantão’ na Feira do Livro de Florianópolis, creio que há uns três ou quatro anos. Nessa ocasião conheci JACQUELINE. Confesso que não sabia de quem se tratava, mas aquela simpática e simples mulher carregava uma bagagem ímpar. Ali fiquei sabendo um pouco do trabalho que ela fazia com a ‘ponte’ Brasil/Suíça oportunizando aos escritores brasileiros a possibilidade de vencer distâncias com seu Varal Literário.
Creio que a simpatia entre nós duas foi recíproca e começamos a nos comunicar via Facebook. Numa de suas visitas ao Brasil tive a satisfação de reunir uns poucos escritores para recepcioná-la junto com o marido e o filho. Tivemos momentos muito agradáveis. Jacque fez um relato das atividades em Genebra e Paris e como os trabalhos que enviamos ao seu Varal foram bem recebidos.
Repentinamente, nossa querida amiga avisou que estava se retirando dessas valiosas atividades. Numa analogia, Jacqueline e a ponte Hercílio Luz “estavam fora de combate”... Mas, ainda nessa similitude: Jacque voltou e a ponte está se recuperando!!!
 Ivonita Di Concílio 
Florianópolis/2017

sexta-feira, 14 de julho de 2017

UM VARAL PARA NOSSA CARA "MECENAS" (IV)

MEU AGRADECIMENTO PARA JACQUELINE BULOS AISENMAN

Isabel  Cristina Silva Vargas


Alguns anos atrás estreei no Varal do Brasil, na Revista de número 8, revista literária virtual organizada por esta criatura incrível que saiu do Sul do Brasil para ganhar o mundo através da atividade literária própria e por sua atividade de gestora e produtora cultural, participando de feiras, organizando eventos, editando coletâneas ou antologias. 
Nas redes sociais criou um grupo com ativa participação nas atividades que propunha de criação de contos, crônicas, poemas, assim como outras formas de escrita.
Este constante encontro virtual possibilitou-me organizar várias destas atividades a fim de Jacqueline coloca-las no blog. Isso me deixava muito feliz pela sua confiança, assim como eu creio que deveriam ficar todas as outras participantes a quem ela solicitava esse apoio.
Em outra ocasião escrevi uma das orelhas do Varal Antológico.
Através das participações frequentes passamos a admirar e respeitar os trabalhos mútuos.
O encerramento das atividades do Varal do Brasil, em virtude dos problemas que acometeram Jacqueline causou profunda surpresa só ultrapassada pela preocupação com seu restabelecimento.
Tenho muito a agradecer a esta pessoa sincera, amiga, generosa que em vez de expor ao mundo sua competência e talento, unicamente, doou seu tempo para todos aqueles que chegaram até ela através do Varal.
Agora, no momento que lançou a edição zero de uma nova revista, a Veia, em proposta diferente do Varal que era gratuito, volto a agradecer por inclusão de meu trabalho nesta nova proposta literária.
A ela, mais uma vez, agradeço desejando muito sucesso nos novos caminhos a trilhar.

Sucesso!!! 

quinta-feira, 13 de julho de 2017

UM VARAL PARA NOSSA CARA "MECENAS" (III)

Maria (Nilza) de Campos Lepre.
Quero deixar registrada minha gratidão a uma grande mulher brasileira: Jacqueline Bulos Aisenman.
Ela fez de sua vida uma luta de levar novos escritores e poetas brasileiros a serem lidos e apreciados em todos os recantos do mundo, onde a língua portuguesa fosse compreendida e apreciada.
Meu coração esta sangrando de tristeza com o encerramento de suas atividades frente ao Varal do Brasil revista digital criada, dirigida e elaborada por ela sem nenhuma ajuda extra.
Você sempre foi nossa maestrina frente a esta revista nos orientando e fazendo com que nunca perdêssemos o tom, fazendo com que a sua obra permanecesse sempre no tom desejado. 
Sua revista conquistou a admiração de meus amigos e familiares, que esperavam com ansiedade a saída de um novo numero. Sei como é difícil organizar e tocar para frente um projeto tão grandioso como este. Você idealizou e conseguiu através de muita luta construir uma revista que ficará registrada para sempre na memória de quem as leu.
Pode se orgulhar, pois conseguiu seu intento, muitos escritores, poetas e poetizas passaram a ser conhecidos no Brasil e no exterior graças a este seu projeto. Não sei por qual motivo vai encerrar suas atividades, mas pode contar com minha amizade para sempre. Se precisar de mim pode pedir ajuda, pois estarei sempre ao seu dispor enquanto vida eu tiver.
Foi através de sua revista que nos conhecemos, por ocasião do lançamento de um dos Varais Antológicos, em Florianópolis. Desde este dia passei a te admirar, respeitar e amar como se ama a uma irmã ou mesmo filha, pois é como te sinto em meu coração.
Tenho orgulho de ter participado por vários anos de suas revistas e antologias.
Obrigado pela oportunidade que me proporcionou.
É muito triste, mas, nos veremos por ai.
Mil beijos e que Deus a proteja e acompanhe para sempre.

Maria (Nilza) de Campos Lepre.

quinta-feira, 6 de julho de 2017

UM VARAL PARA A NOSSA CARA "MECENAS" (I)

Jacqueline nos tempos de Laguna

Jacqueline, do Varal do Brasil - Uma entrevista imaginária (*) 
[ JAS & Garoeiro - 6 de julho de 2017 ]

JAS/Garoeiro – Caríssima Jacqueline, primeiramente, uma palavrinha de apresentação mesmo sendo você tão conhecida e amada por todo esse pessoal da blogosfera dos escritores “sem frescura”.

Jacqueline - Meu nome é Jacqueline Aisenman, sou brasileira de nascimento e suíça por adoção, residindo em Genebra (Suíça) há mais de vinte e cinco anos.
Sou uma apaixonada. Pela vida, pela arte, mas principalmente por papel, caneta e inspiração (Bem que hoje se pode acrescentar com certeza o computador, sua tela e seu teclado fazendo as vezes do papel e da caneta!
Desde 2006 escrevo na internet. Escrevi durante nove anos no meu blog Certas Linhas Tortas que continua no ar, mas já não está sendo atualizado, pois mudei para meu site pessoal e oficial, Coracional. Lá tenho mais de 800 artigos, entre contos, crônicas, poemas, pensamentos e etc. Lá também tenho meu novo blog. Coracional é minha residência virtual.
Nasci na cidade de Laguna, em Santa Catarina e vivi parte de minha infância no Paraná. Por todos os lugares pelos quais passei, fiz amizades que ficaram.

JAS/Garoeiro – E o Varal do Brasil?

Jacqueline - Minhas intenções com o Varal? Divulgar, mostrar, fazer desabrochar. Somos tantos a escrever e muitas vezes sequer mostramos para alguém dentro de nossa própria casa. Deixamos fluir nossas emoções, nosso olhar sobre a vida e guardamos tudo. Por medo, vergonha, baixa estima, deixamos de compartilhar com as outras pessoas nosso sonho ou simplesmente nossa maneira de ver e sentir a vida.
Pois é… Aqui está se concretizando um sonho meu. Estar junto com muitos que amam o mesmo que eu: escrever e ler. Não sou o que chamam de intelectual, nem sei exatamente o que quantifica ou qualifica as gentes para tanto. Mas com certeza sou uma “emocional”! Por isto, nem pensem em encontrar aqui o mundo muito perfeito e muito fino de uma revista literária comum.
Aqui, meus amigos, meus colegas de vida, vocês têm um varal de amor e amizade estendido completamente sem frescuras.
...

Pendurei o Varal pela primeira vez em 2009 com o objetivo de fazer “literatura sem frescuras” num mundo literário avesso à simplicidade e aos escritores “iniciantes”. Considero que fui longe, bem mais do que poderia sequer imaginar. A revista, as antologias, os concursos literários, as participações dinâmicas no Salão Internacional do Livro de Genebra, os eventos aqui na Suíça e no Brasil…. Tudo foi parte de um longo, frutuoso e feliz caminho, por onde fui encontrando pessoas que hoje são mais do que apenas pessoas conhecidas, são amigas que guardo no coração.
...

Porém, há dois meses antes de completar sete anos, o Varal do Brasil encerrou suas atividades, em 15 de setembro de 2016. Mas, com a seguinte mensagem: “Este site permanecerá no ar indefinidamente. Ficará como arquivo e como testemunho do que realizei junto a tantos escritores de tantos lugares do mundo. ”

JAS/Garoeiro – E como vai a Jacqueline de agora, depois do sonho do Varal do Brasil?

Jacqueline – Continuo escrevendo no Coracional.com. As coisas que vêm de dentro... Está bem registrado ali, meu nome é Jacqueline mas pode me chamar de poeta... Em setembro de 2016 tive um AVC, a descoberta de aneurisma e de uma insuficiência cardíaca relevante. O AVC mostrou-se regressivo e cá estou eu, recuperada... No caminho da Literatura, ando ao lado de poucos, mas destes poucos, sei o valor e reconheço o percurso realizado além de, sempre, guardar a amizade e admiração pessoal por todos eles.


(*) As “respostas” são autênticas, não imaginárias...V

segunda-feira, 3 de julho de 2017

CARLOS NEJAR: eis uma preferência do Garoeiro

Em 25 de maio último, recebi a seguinte mensagem do Poeta Garoeiro:
Segundo a Wikipédia, há uns anos atrás, Mário Quintana, Heitor Saldanha e Carlos Nejar seriam os três grandes poetas desse celeiro enorme chamado Rio Grande do Sul. Fiquei sabendo porque estava planejando uma semana em homenagem a Carlos Nejar, no Reblog do Poeta Garoeiro, em junho. Foi aí que descobri "A Hora Evarista", a coletânea de poesias de Heitor Saldanha! Grande Poeta, Grande Poesia! Por isso, antecipo ao Amigo Souza que a última semana de junho será a Semana Heitor Saldanha! Nejar, que está por aqui, ainda, poderá esperar...
Ou, não?
E agora chega às minhas mãos esta sua amostra sobre a obra de Carlos Nejar, na imagem acima reproduzida.